1. Município
Apresentação
Biodiversidade
Como Chegar
Cultura
História
Símbolos Municipais
2. Hospedagem e Alimentação
Camping
Hostel
Hotéis
Pousadas
Pousadas Rurais
Restaurantes
Restaurantes / Cachoeiras
3. Administração
Gabinete do Prefeito
Mensagem do Prefeito
4. Setores
Assistência Social
Compras / Licitações
Conselho Tutelar
Controle Interno
Convênios
Defesa Civil Municipal
Divisão de Cadastro / IPTU
Divisão de Contabilidade
Divisão de Gabinete
Divisão de Obras
Divisão de Pessoal
Divisão de Receitas
Divisão de Secretaria
Divisão de Tesouraria
Divisão de Urbanismo
FMH - Fundo M. de Habitação
Hidroviário - Balsas
Hospital Municipal
Junta do Serviço Militar
Secretaria de Administração
Secretaria de Educação
Secretaria de Saúde
Secretaria de Transporte
Secretaria de Turismo
Vigilância Sanitária
5. Serviços
Fale Conosco
Monitores Ambientais
Telefones Úteis
6. Geral
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Projetos e Programas
7. Publicações
Consultas Públicas
Edital de Licitações
Leis Municipais
Parcerias com OSC - MROSC
Processos Seletivos e Concursos
Relatório de Informações Solicitadas (SIC)
Transparência 2013
8. Transparência 2014
Balancetes - 2014
Contratos - 2014
Convênios - 2014
SIACE LRF - 2014
9.Transparência 2015
Balancetes - 2015
Contratos - 2015
Convênios - 2015
SIACE LRF - 2015


 

QUAL O PRINCIPAL ATRATIVO DE NOSSA CIDADE?

Seu rico patrimônio cultural
A hospitalidade do povo
Suas charmosas praças e avenidas

 
 
 
 
 
 
  História

História de Delfinópolis

A região compreendida entre os ribeirões Extrema, Forquilha, Engano e o Rio Santo Antônio, localizada na margem direita do Rio Grande, constituía 3 sesmarias concedidas a Ambrósio Gonçalves Pacheco.

No início de século XVIII, Dona Violanta Luzia de São José, sua esposa, fez doação de 288 hectares de terras virgens, localizadas à margem esquerda do Ribeirão Forquilha, para patrimônio de uma capela a ser levantada em honra do Divino Espírito Santo.

Nasceu assim o povoado denominado Espírito Santo da Forquilha, nome que tomou em homenagem ao padroeiro local e em face do ribeirão citado.

A designação de forquilha foi devida ao fato de o referido ribeirão, em sua confluência, realizar uma volta, em tudo parecida a uma forquilha.

Antes, presume-se que a região tenha sido habitada por indígenas das tribos Tupiniquins e Carijós.

Tal afirmativa baseia-se em peças indígenas, domésticas e de guerra, encontradas ainda até bem pouco tempo nos arredores do lugar denominado "Ponte do Surubi", onde se acredita ter sido o local exato em que os mesmos tiveram seus acampamentos.

Por outro lado, há vestígios da passagem de bandeiras por aquelas bandas, notadamente perto da Cachoeira do Santo Antônio onde escavações profundas e antigas e o deslocamento de enormes pedras testemunham a presença de civilizados.

Sabe-se que os primeiros habitantes do povoado foram, dentre outros, João Marques, Joaquim de Almeida e Justiniano de tal, de sobrenome desconhecido.

Estes foram os primeiros residentes.

Posteriormente, em 1871, Antônio Rodrigues descobriu terrenos auríferos no Rio Santo Antônio e veio desse fato um progresso mais acelerado para o povoado, que no mesmo ano passou a distrito, do município de Santa Rita de Cássia.

Em 1919, o seu topônimo foi modificado para Delfinópolis, em homenagem ao então governador do estado, Delfim Moreira da Costa Ribeiro.

Em 1938, foi elevado à categoria de município, tendo ficado sob subordinação política da Comarca de Cássia.

 

Gentílico: Delfinopolitano.

Fonte: Arquivos da Agência do IBGE de Passos/MG Prefeitura Municipal de Delfinópolis.

Autor do Histórico: LUIZ FLÁVIO LEMOS



 


 
Prefeitura Municipal de Delfinópolis
  Praça Manoel Leite Lemos 115 - Delfinópolis-MG - CEP: 37910-000
Telefone: (35) 3525-1020
email: sac@delfinopolis.mg.gov.br
www.delfinopolis.mg.gov.br
Versão 2.0